sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Quando vi a foto

  • Emaranhado de coisas!
  • Coisas uma, ou melhor, duas.
  • Um; os olhos: lindos, profundos.
  • Dois; os lábios, assim: únicos.

  •  Se o fato de ver já é sonhar
  • Minha ansiedade, ímpar, é tocar.
  • Tocar com gosto esses lábios
  • E me perder em grandes afagos.

  • Que fogo! Que mel!
  • Que brilho, que mistura.
  • Espero não misturar fel!

  • Quem dera não ser aventura
  • Pois isso já se tornou hell!
  • Que foto, meu Deus! Que loucura!

sábado, 25 de agosto de 2012

Ela partiu


Quantas fotografias espalhadas pelo chão?
Quantas flores arrancadas em vão?
Quantos sorrisos com emoção?
Quantos olhares sem explicação?
E quantas coisas pra o fim!

Quantas belezas vivi?
Quantos dias te vi?

Quantas vezes tremi?

Quantas vezes quis ir?
E quantas coisas em vão!

Como eram belos os dias

Carregados de todas as magias
De infinitas e meigas alegrias.
Regadas de puras energias,
Mas estraçalhadas ao pó!

Feridas como as de Jó,
Chagas da alma no pó
O sangue a ponto de dar nó
Tão frio, pois já era só
E só foram-se os dias!

Dias sem rima e sem cor,
Sem sorrisos e sem amor.
Já sem as flores e teu calor.
Dias costurados com dor!
E assim ela partiu...


domingo, 19 de agosto de 2012

As cores

Quais são as cores da ternura?
Quais certos existem sem pudor?
Vêm como ondas, numa visura.
São as cores do amor!

Quem disse o erro
Deve ter esquecido que o errar
É falta de zelo
Para o verdadeiro verbo amar.

Poesia num gracejo sei que há!
Melodia num sorriso me faz ver
Que para ser completo basta estar
Nos braços só de quem lhe merecer.

Não importa qual seja o tom
Não precisa ser par para ser
Mesmo que ímpar pareça não ser bom
Isso só um futuro irá dizer.

Marlon Cássio

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Quem sabe?

Quem consegue dizer que no fim dará tudo certo? Quem pode afirmar que dar passos contrários sempre indica retrocesso em seu sentido literal? Possibilidades mil sempre há e, sendo assim, se afirmar como melhor caminho pode ser um tremendo engano. Dúvida maior é deixar ser guiado pelo vento: sem saber onde ir. Para isso é preciso ter coragem e uma confiança ímpar nele. Sabemos que em nossa vida, breve e passageira, podemos fantasiar tantas coisas, nos iludir, nos corromper e nos 'etceterar', mas ainda assim como rabiscos e anotações avulsas tudo se somará à folhas em anexo no nosso livro de vida, ao fóssil da nossa singela passagem por aqui. Então um questionamento brota em nossa psique: tanta complexidade é realmente precisa? Acordar numa manhã qualquer depois de uma noite qualquer e levar uma vida qualquer resultará em um fim certo: certamente qualquer também. Não louvo deixar as coisas por si mesmas, até porque isso refere-se à entrega de vontade, refiro-me a não queixarmos tanto do porvir que no momento de prepará-lo - no presente - estamos como quem dorme.

Que mistério é esse que ronda o homem. A vida, a escolha, o caminho. Quem sabe o certo? Quem sabe o valor? Quem sabe o segredo? Somos todos 'nenhuns' cheios de vários outros. Por isso sobre o futuro (o meu), as escolhas, os traços que ainda serão traçados, tudo, tudo, não sei. Quem sabe? Só Deus.

Marlon Cássio

terça-feira, 19 de junho de 2012

Palavras ao vento


Palavra pode
Palavra pedra
Palavra grande
Palavra sega
Norte e sorte
Vida e morte

Palavra linda
Que soa doce
"Doce menina",
"Menina doce"
A mim fascina
Mais bela ainda

Palavra vil
Cortou a alma,
Jogou sutil
Bem numa vala.
O enterro viu
Da sua fala.

Palavra simples
Que aprisiona
Cantada em timbres
Na mesma onda.
Palavras nobres
Que soam pobres.

Também liberta
O que acabou.
Palavra certa
Que libertou.
É uma porta
Que viva ou morta.

Nada igual
Percurso faz
O bem e o mal
Palavras mais
Singela e dor
Quimera e flor

Retrato velho
Passado incerto
Sorriso lindo
Ou morto feto.

Já não importa rima alguma
Se a palavra não é só uma
Palavras ao vento
Palavras uma
Jã não importa essa equação
Porque palavra é decisão!

Marlon Cássio

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Manhã de descanso

"As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã." (Lamentações 3:21, 22)

Após uma manhã de mágoa pode se seguir uma tarde de mais mágoa, noite semelhante e assim por diante... Mas há quem procura investir em sentimentos novos, não se apegar à dores, à coisas que só pesam no coração e procura transformar a mágoa em oportunidade. Sim, oportunidade. Fazer dela a chance de amadurecer, de aprender e de crescer. Entretanto, para isso temos que esperar e descansar. "Enquanto eu descanso em Deus Ele me dá tudo o que eu preciso" como está escrito em Salmos 127:2. Deixar a correria, as diversas direções e o barulho para os cantos e centrar-se em um foco, um silêncio, uma coerência. Descansar em meio à tantas frustrações e dores é como passar por todo o peso das lágrimas noturnas e da madrugada, erguer os olhos aos céus e agradecer. Agradecer porque tudo se faz novo dia após dia e aquilo que é tão aguardado também há de se fazer novo. Ao ver o sol despontar o espírito relaxa, a promessa de mais um dia se faz e a esperança se refaz. Um novo sorriso brota tímido nos lábios e os olhos já conseguem ver mais. Assim se inicia um novo tempo. Tempo de descanso para agir. Manhã de descanso.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Manhã de mágoa

Existem coisas que até tentamos ignorar e continuar prosseguindo, mas não há como deixar passar. Não mesmo! Viver é tão real, que de mágico só nossos sonhos. Cada dia que passa aprendo que o homem é mais complexo do que eu imaginava, e que - realmente - não posso me bastar de palavras, uma vez que elas também podem ser carregadas de tamanha baixeza. É incrível como nós, seres humanos, nos deixamos enganar pelas mesmas coisas. Levamos uma pedrada e a guardamos numa sacola, levamos outra e a juntamos com a anterior, mas chega um momento em que essa sacola não mais suporta tanto peso e se rasga. Não adiantou ajuntar pedras para evitar devolvê-las a quem nos jogou: essas pessoas não merecem nossa dor.Começar uma manhã com mágoa não é a melhor opção, mas é uma possível. Por que questionar, se estamos sucetíveis a tudo? Por que chorar, se a escolha de arriscar é tomada por nós, agentes de nossas próprias ações? Só o tempo para nos levar a entender tais atitudes, comportamentos. Tudo o que acontece em nossa vida nos leva a amadurecer mais, de alguma forma, ainda incompreensível mas nos leva. Enquanto isso... não importa o tamanho da queda, é na subida que se testa e estabelece a força.

Marlon Cássio

quarta-feira, 18 de abril de 2012

De volta à escrita

Parar na escrita é como parar no tempo: nada se produz, nada se diz, nada se mantém. Escrever, pra mim, é uma válvula de escape, é exercer a ação de exteriorizar o que está guardado no meu inconsciente e, mesmo que não seja tão atrativo aos possíveis leitores, para a minha pessoa é exercício. Exercício de descanso, de evolução, de amadurecimento, de prazer... Escrever é mais que escrever simplesmente. Escrever é lidar com a vida, com os sonhos. É tornar possível o que de alguma forma nos priva de procurar liberdade, é tornar palpável o que nos foge das mãos. É exteriorizar o íntimo - sem desmerecê-lo - e tentar alcançar, de algum modo, quem para um minutinho sequer e dedica-se à leitura: sempre um prato novo a experimentar...
Por estes e tantos outros motivos, quero voltar a escrever, sejam textos melodramáticos, textos esperançosos de uma manhã mais viva e um sol com mais brilho, poesias de métrica ímpar - com arranhos e escapadas - , sejam músicas que me encantam, sejam escritas simples e nostálgicas, mas que sejam! Pior que apenas ser é não ser nada...
Estou de volta para a escrita...

Marlon Cássio

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Só o futuro

Ela esconde o rosto, ela chora,
ela vê o tempo passando e nada!
Nada mesmo, pois foi embora
embora a dor não passe, agora mata!

Águas paradas, folhas secas
Um soprar dizendo que ainda alcança
Pode prosseguir, pois ainda terá perdas
árduas e duras igual à morte.

Ela chora embora nada mata
Mas secas perdas alcança morte

Mãos melhores há de estar
Quando, enfim, pra cima olhar.
Dor maior há de ter,
nem por isso desistir de viver

A questão é prosseguir
Sem medo de perder.
Na conjugação do futuro
não se sabe o que ser.

Estar, olhar, ter, viver
prosseguir, perder, para ser: só o futuro...

Marlon Cássio

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Por um momento assim (repost)

Com braços abertos e braços rendidos. Corpo entregue às ondas do vento.

Na sinfonia do espaço estamos nós, à procura de nosso ser em nós mesmos. Procuramos liberdade e segurança; desafios profundos e vitórias; ganhos sem perdas. Procuramos tanto e esquecemos de viver e exaltar os momentos que nos leva ao encontro do nosso íntimo.

Caminhamos atrás de um momento assim, um momento único e especial, sensível e palpável, incrível e verdadeiro. Por um momento assim, onde derramamos dentro de nós numa mistura de grandeza e particularidade nos sentimos à vontade e o que está ao nosso redor flutua. Voamos e não queremos mais pousar.

Esse momento de transe uma hora acaba e voltamos ao mesmo mundo e ao mesmo lugar, no entanto, voltamos à nos mesmos de uma forma inigualável. Sensação de bem estar não! Sensação de experenciar nosso interior! Para passar por um momento assim só quando verdadeiramento estivermos com braços abertos e braços rendidos. Corpo entregue às ondas do vento.

Marlon Cássio 
1ª publicação em 24/01/2011.
Para ver o pos original clique no título da postagem.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Se inspire num novo dia

 Seja renovado nessa manhã! Que a inspiração de viver esse dia já tenha brotado desde ontem e, se ainda não fluiu essa vontade, olhe para o céu e veja quão sortudo é você, de mais uma vez poder ver a luz do dia e saber que ainda pode conquistar o que tanto sonha, pois, por mais que diga não, a vida corre em suas veias! BOM DIA!!!
Se inspire num novo dia!